baleiaB

NASA anuncia satélite para observar baleias azuis

No último final de semana, a NASA anunciou uma nova ferramenta online que vai ajudar a proteger a baleia azul, espécie ameaçada de extinção.

O projeto será realizado em conjunto com a Administração Norte-Americana Atmosférica e Oceânica (NOAA, na sigla em inglês).

A novidade se chama WhaleWatch (observador de baleias, em português) e vai ajudar na redução da mortalidade destes animais, em especial nos casos de colisão com barcos ou de enroscamento em apetrechos de pesca.

Das 12.000 baleias azuis que ainda restam no planeta, um quarto delas vive no Oceano Pacífico.

A maioria delas migra ao longo do litoral da Califórnia, na rota de grandes navios de pesca e de tráfego entre os grandes portos de Los Angeles e São Francisco, EUA.

As baleias não são detectadas pelos satélites em escala global. Mas os cientistas sabem que elas se reúnem em determinados locais em busca de seu alimento preferido, os pequenos camarões “krill”.

Os krills também não são detectados pelos satélites. Assim, os cientistas vão localizar as baleias azuis buscando onde estão as águas ricas em nutrientes que possibilitam a presença dos camarões.

A melhor hora para isso é quando as águas frias profundas ricas de matéria orgânica afloram à superfície do oceano banhada pelo sol. Agindo como fertilizante, essa matéria orgânica cheia de nutrientes faz explodir a flora do fitoplâncton, cuja clorofila é visível do espaço.

Resultado: onde há clorofila no mar, deve haver nutrientes dos krills. E onde houver krills, as baleias azuis se reunirão em busca desse alimento. E isso ocorre, de fato, pois as baleias se reúnem em certos momentos do ano, nesses locais mais apropriados para seu banquete.

Com esta estratégia, a NASA pretende observar a baleia, mapeá-las e, com essas informações, criar projetos de proteção mais eficientes à espécie.

Fonte: CBN